sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Natal

O Presépio da Igreja de Valongo do Vouga

A um cantinho da igreja
O presépio era feito
Pelas mãos do sacristão
Com devoção e respeito.

Com alguma antecedência
O musgo se apanhava
Cada um, seu pedacinho
Ao sacristão se levava.

Depois, ele e os ajudantes
Nesse canto o espalhavam
Fazendo montes e vales
Um lindo aspecto lhe davam.

Ao olhar os tons do musgo
Ficava-se com uma ideia
Que se estava a vislumbrar
Um pedaço da Judéia.


Depois, por montes e vales
O serrim lá se espalhava
A fingir que eram estradas
Que ao presépio nos levava.

Aqui e ali dispersas,
Dum modo às vezes bizarro
Eram então colocadas
As figurinhas de barro.

Lá bem no cimo dum monte
Como a dominar a grei
Com imponência e majestade
Ficava o palácio do Rei.

Pastoreando os rebanhos
Montes subindo e descendo
As figuras dos pastores
Iam também aparecendo.

Com cordeirinhos aos ombros
Ou nas flautas tocando
As figuras de mercadores
P'las ruas iam ficando.

E no sítio mais longínquo
É que os Reis-Magos ficavam
Sempre à procura da estrela
Só a seis de Janeiro chegavam.

E lá no alto, pendurada
Estava a estrela-Luz
A indicar o caminho
Até ao Menino Jesus.

S. José e Nossa Senhora
E os animais também
Estavam lá no Presépio
Na lapinha de Belém.

E no dia de Natal
Com o fato domingueiro
Para beijar o "Menino"
Todos queriam ser o primeiro.

Quem dera poder voltar
Outra vez a ser criança
E ver de novo o Presépio
Que ainda guardo na lembrança.


Do livro de poesia de Júlia Magalhães "Ponto Final"
Editado em 2009 pela autora
Gravura digitalizada do mesmo livro, que representa
O Presépio da Igreja de Valongo do Vouga, a que este
poema se refere.
Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...