sexta-feira, 14 de maio de 2010

A visita do Papa

Papa despediu-se no Porto


O Papa Bento XVI despediu-se hoje, no aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto. Desde o dia 11 que assistimos a uma completa e constante visão dos acontecimentos através da televisão.
Não fui socorrer-me de qualquer meio de comunicação social para aqui fazer eco do que vi e vivi pela televisão sobre a visita do Papa desde aquele dia.
É apenas o meu modesto depoimento que me faz registar este facto aqui, cuja repercussão é mesmo muito modesta e discreta. Mas é uma opinião.
Penso que havia um certo mundo de olhos e ouvidos atentos a esta visita e o que dela poderia resultar. Os meios de comunicação de outros países não se viram muito, mas estavam cá. E emitiram opinião.
Desta mesma visita, há pelo menos diversos objectivos que, no meu entender, terão sido benéficos. Por um lado, colocou Portugal na alta roda da informação, do prestígio e da atenção de muitos, tornando-o conhecido e não como uma província de Espanha. Segundo, a figura, as palavras, desta visita apostólica, foram disparadas em várias direcções, sobre diversos temas.
Destacamos, segundo o nosso ponto de vista, a abordagem sobre a paz mundial, os problemas que têm afectado a Igreja sobre os casos de pedofilia, a solidariedade e a actividade social num dos piores momentos que o mundo vive, o papel da igreja nestas mesmas áreas, que são visíveis, e, apesar de tudo, estes factos foram os «recados» disparados em várias direcções, principalmente fazendo ver que «o mundo não é só de alguns, nem regalo saboroso de uns poucos. É espaço de todos, construção de todos, dom a todos. Não é palco de palhaços, nem pista de marionetas. Há lugar para todos que não queiram ser sozinhos e não amuem por outros também serem gente.», como diz D. António Marcelino, Bispo Emérito de Aveiro, num artigo com o título «Jardim de narcisos, sociedade empobrecida»   no jornal diocesano «Correio do Vouga».

Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...