terça-feira, 10 de agosto de 2010

As Meninas Mascarenhas

O Livro - XXVIII


Ficámo-nos, no post anterior, pela regresso ao governo civil de um mandantário dos Bandeira da Gama, o Dr. Resende, após o encontro deste com o cônsul francês.
Logo que chegou, juntou-se ao Pedro Bandeira no governo civil onde aguardava pelas suas sobrinhas. Ambos dirigiram-se ao Visconde de Valongo, o então Governador Civil, que de imediato os recebeu e a quem foi exposta a situação.

Porque aquilo que se passava era uma representação perfeita,
nada melhor a ilustrar que esta foto do blogue
http://portografia.blogspot.com/2007_03_01_archive.html

Foi-lhe solicitada a sua intervenção, escudando-se na teoria de que a recusa de Ransam significava que na sua casa estavam escondidas as sobrinhas e o seu tutor. O Governador Civil bem coçava na cabeça pobre de cabelos e de miolos - dizia o Dr. José Joaquim da Silva Pinho - demorando a dar uma resposta e, de repente, fingindo que lhe tinha ocorrido uma providencial ideia, disse:
- O Sr. Dr. Resende fala bem, mas eu digo que as coisas mudaram bastante. Até aqui tínhamos a entender-nos só com gente portuguesa, mas agora trata-se de uma requisição feita a um diplomata estrangeiro, e há uma diferença nas relações dos funcionários com os nossos administrados das relações que precisamos ter com o corpo consular estrangeiro. Não sei, não sei como isso há-de ser.

O Pedro Bandeira dirigindo-se ao Governador Civil fez-lhe ver que ficava inutilizada toda a acampanha, com as suas dúvidas descabidas!...
Mas não acabam aqui as conjecturas, que dão indícios de pouca habilidade e uma falta de conhecimentos indesculpável. O Governador Civil chama um funcionário e pergunta se, sem perigo de conflito diplomático, pode oficiar ao cônsul francês para pedir autorização para que a polícia entre em casa de um cidadãos de seu país, para fazer uma busca policial.
E o funcionário, demonstrando conhecimentos bastantes, diz que não há risco de nenhum conflito e que os termos seria o Governador pedir, por ofício, a autorização que o Dr. Resende e o Bandeira da Gama solicitavam. Se assim é, vamos já fazer o ofício para eu assinar e é serviço urgente, dizia já ufano o Governador.
Pouco depois o ofício estava pronto e assinado, entregando-o ao agente da polícia. Pedro Bandeira e Francisco Resende lá foram ao consulado francês, partindo à desfilada. Mas lido o ofício do Governador, o cônsul demonstrou alguma dúvida, hesitou em conceder a autorização, mas depois pôs o «placet» necessário num papel que a polícia foi apresentar ao dono da casa sitiada.
Ransam, cidadão francês, viu a licença do seu cônsul e não colocou a mínima oposição, franqueando a porta e a polícia entrou imediatamente. O Dr. Resende ia à frente com ares de comandante. Foi tudo pesquisado, vigiado, ele é que fazia tudo e perguntava, mandava abrir compartimentos e móveis, nada ficando por examinar, até os colchões das camas foram remexidos.
Foi feita uma busca minuciosa, completa, nada ficando por bisbilhotar, uma busca quase grosseira, demorada. O médico de Aveiro dava msotras de impaciência, de nervoso, como que ficando fora de si. E exclamava, como se transcreve:
- Mas, é impossível... As meninas estão aqui, o Joaquim Álvaro também cá está. Onde se escondem?
E continuava a busca, cada vez mais cautelosa, com mais insistência, batiam nas paredes e tabiques, como que auscultando o som denunciador de algum disfarce ou falsete ardilmente construído nas paredes, que ocultassem pessoas e objectos.
O resultado foi completamente negativo. O Dr. Resende tinha quase a certeza que era completamente iludido, mas não possuía outros meios de poder esclarecer e de achar as Meninas Mascarenhas e o seu tutor. Corria o mês de Janeiro, havia frio e o Dr. Resende suava.
Já numa grande aflição conjecturava sobre o que iria dizer ao Pedro Bandeira e ao Governador Civil. O que havia de dizer ao cônsul de França que teve uma grande repugnância em autorizar aquela busca? A vaidade do Resende estava amarfanhada, melhor, magoada, como escrevia do Dr. José Joaquim da Silva Pinho.
Havemos de, proximamente, contar mais alguma coisa...

Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...