terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

A história local

Estação Arqueológica do Cabeço do Vouga
- Sítio da Mina -

Da "conquista" ao domínio romano

Guia da estação e do visitante

A partir da página 39, deste guia, uma edição da Câmara Municipal de 2008, e como se dizia no capítulo anterior, continuamos as apreciações sobre as construções que ali existiram. Assim:

«Uma dessas soluções arquitectónicaas consistiu na construção de quatro corpos semicilíndricos que, embora com sinais evidentes de degradação, foram adossados à face interna do paramento oeste do muro da plataforma.

Várias designações lhes foram dadas ao longo do tempo: desde "bastiões", ao jeito militar, até serem considerados como alicerces de casas circulares, passando pela designação de "nichos" de estatuária ornamental, como se de uma fachada monumental se tratasse.

A designação mais feliz, até porque técnica é, sem qualquer dúvida, é a de "abóbadas de eixo vertical", o que é efectivamente a designação mais acertada para tais estruturas arquitectónicas.
Construídas em opus incertum, conheceram grande difusão a partir do séc. I - época de Augusto - contudo, aqui e a partir dos numismas em bronze, associados a tais estruturas, a sua construção é bem mais tardia, datando do séc. III d.C.
Na sua construção, os pedreiros foram pouco escrupulosos já que para o mesmo tipo construtivo não souberam aplicar as mesmas dimensões, pese por certo a existência de um mesmo "módulo" arquitetónico, previamente estabelecido, como era apanágio de engenheiros e arquitectos romanos.
Por outro lado ainda, na construção aplicaram elementos pétreos a esmo, sem qualquer tratamento das superfícies, recorrendo à reutilização de materiais de outras épocas, como fragmentos de mola manuaria e, como se não bastasse, os alicerces das abóbadas de eixo vertical assentam directamente sobre o afloramento arenítico, sem alicerce algum, tendo os pedreiros optado apenas pelo espessamento das bases, tipo rodapé alteado e encostando-as, literalmente, à face interna do muro da plataforma original - muro oeste.»

Concluimos este capítulo, com mais uma série de descrições alusivas às construções romanas existentes no sítio da Mina. Proximamente abordaremos outros aspectos no seguimento das mesmas construções.
Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...