quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Conselheiro Rodrigues de Bastos - 1

Introdução

Capa da 'Vida e Obra do Conselheiro José
Joaquim Rodrigues de Bastos' na encadernação
da autoria do Dr. Rui Moreira de Sá e Guerra,
com a devida vénia.
Há já vários anos que tentava "conhecer" melhor a Vida, Obra e História do Conselheiro Rodrigues de Bastos, que, em 8 de Novembro de 1777, nascia no lugar do Moutedo.
Não será de espantar e de ficar de boca aberta se ao perguntar a alguém, que uma rua no lugar de Arrancada do Vouga, tem o nome deste Conselheiro e se completar a pergunta, procurando do entrevistado se sabe dizer quem foi este grande nome dos tribunais, da política, da literatura, cuja placa o imortaliza ali mesmo perto do cruzeiro, que tem como vizinho o Largo da Praça, certamente que poucos saberão responder.
Ingratidão de um povo que esquece os seus maiores, poderá afirmar-se com toda a legitimidade!
Isto para dizer que a freguesia teve grandes nomes que a projectaram em tempos idos, e valem tanto como os contemporâneos que por ela deram muito!
Acrescentar ainda que recentemente fui surpreendido pelo contacto de pessoas descendentes do Conselheiro Rodrigues de Bastos.
Como nos propomos dedicar algumas páginas a este vulto da nossa História local, teremos de acrescentar  ainda que de um desses descendentes, o Dr. Rui Moreira de Sá e Guerra, ilustre jurista formado na velha Universidade de Coimbra, do Instituto Português de Heráldica, cujo primeiro trabalho, admitimos, sobre aquele familiar, tetravô, consta de uma Separata do Boletim Municipal de Aveiro (Ano V-Junho de 1989 - Nº 11). Esta foi a primeira obra histórica do Conselheiro que me chegou às mãos, além do Tomo  I original, numa terceira edição de 1854, denominada «Collecção de Pensamentos, Máximas e Provérbios» (respeitada a grafia da época), que se encontram na barra lateral deste insignificante cantinho, que rapidamente esgotou.
O Dr. Rui Moreira de Sá e Guerra, por intermédio de um familiar residente na freguesia da Trofa, deste nosso concelho de Águeda, teve a gentileza de nos brindar com mais três obras originais do Conselheiro e que são: Meditações ou Discursos Religiosos, 5ª edição, 1850; Os Dois Artistas ou Albano e Virgínia, 2ª edição, 1853; e o Médico do Deserto, 2ª edição, 1864. Todas estas obras logo foram «devoradas» pelo público, mal saíram do prelo.
Do Dr. Rui Guerra temos a promessa de poder vir a conseguir ainda outras obras, que, diz, está a «investigar» o seu paradeiro, porque a maior parte delas estão religiosamente guardadas na sua importantíssima e valiosíssima biblioteca, a calcular pelo que me tem dito e outras, de tal maneira valiosas, que só algum alfarrabista ainda as possa preservar.
Para terminar este Introito, dizer ainda que da parte do Dr. Rui Moreira de Sá e Guerra, tivemos o privilégio de receber uma interessante encadernação de um trabalho inacabado, intitulado «Vida e Obra do Conselheiro José Joaquim Rodrigues de Bastos» nele fazendo menção ao blogue «Do Marnel ao Vouga», numa alusão a António Trajano, que aqui postamos há já bastante tempo, sobre uma página que dedicamos ao Conselheiro e na qual aquele nome, de origem brasileira, dizia que teve por professor na Universidade de Coimbra, onde estudava, um latinista de nomeada. Ele não era mais que o «jovem» da época, Rodrigues de Bastos, e agora acrescida de uma foto de nossa autoria da placa que está gravada em mosaicos numa parede da referida rua de Arrancada, que identifica e confirma a história que a ela está adjacente. E já inserida naquele recente trabalho e com um post aqui incrustado em 24 de Setembro passado.
Fiquemos por aqui...
Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...