sexta-feira, 31 de maio de 2013

Casa do Povo de Valongo do Vouga - 26

O baluarte social da freguesia
 
Antes de se apresentarem factos da Assembleia Geral de Novembro de 1944, como antes citámos no número 25 desta série, devemos passar por um pequeno pormenor de idêntica sessão de 7 de Fevereiro de 1943, em cuja acta se pode ler:
 
Este foi o primeiro edifício-sede, entretanto remodelado
«A seguir o senhor presidente da Assembleia Geral fez várias e judiciosas considerações sobre a incontestável vantagem das Casas do Povo e do muito que há a esperar desta nobre Instituição no ambiente social, notando que, se maiores não são as vantagens que a nossa Casa do Povo vem proporcionando aos seus associados - e tantas são elas já - é porque não lho permitem os seus fracos recursos. Apela ainda para todos que possam fazê-lo darem o seu auxílio e boa vontade a esta Instituição, para que ela possa, num futuro próximo, ser o melhor baluarte do povo desta freguesia.»
 
Ainda não tinham decorrido dois anos após a fundação, Souza Baptista fez-se ouvir neste apelo em favor dos mais desprotegidos, já que, vivendo-se o apogeu da II Grande Guerra, as necessidades de bens essenciais eram muitas. Tal como agora, em moldes diferentes...
Idênticos apelos formulou nas sessões da Assembleia Geral de 30 de Janeiro de 1944 e 19 de Novembro de 1944. Viviam-se, certamente, situações de dificuldades extremas!
É que a Casa do Povo era a Segurança Social daquele tempo que, praticamente, não existia e era esta Instituição que, organizadamente, ia acudindo às situações mais aflitivas. E Souza Baptista debatia-se com esta pungente necessidade de ter com que minorar sofrimentos.
Mais adiante talvez se confirmem as suas comparticipações e de alguns dos seus pares.
Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...