segunda-feira, 26 de setembro de 2011

O Acordo Ortográfico

A polémica que por aí anda, principalmente entre os entendidos linguistas, é muita. Aqui, nunca me pronunciei sobre a matéria. Porque não me julgo à altura e com formação adequada para o fazer. Mas entendo, pelo menos uma coisa.
Caricatura retirada da Net
http://www.eb1piadelalama-34.0708.maisbarcelos.pt/
As origens do português, se fossem ensinadas na escola, como a história, traria à tona muita coisa que nós não conhecemos. Ou seja, a evolução da língua materna teve um percurso, criou a dita matriz, estabeleceram-se, ao longo dos séculos, talvez tantos como a nacionalidade, as suas regras, justificando-as, quer cientificamente, quer nas suas origens. E foi com estas situações que o português se espalhou e se estabeleceu pelo mundo.
Porque venho agora aqui com esta questão? Explico:
Andava por aqui a  «limpar» a minha caixa de correio e encontrei um mail, daqueles que circulam incessantemente e que cada um de nós faz com que acabe por dar a volta ao mundo...
Abri-o e o seu conteúdo era de alguém que se manifestava contra o Acordo Ortográfico, que não conheço (um e outro), mas que pela forma como se apresenta, é, certamente, um especialista da matéria.
E é esse mail que agora tomo a liberdade de postar. Mas mais duas coisas:
Uma para dizer que nesta vida blogueira, aparecem por aí muitos colegas a anunciar, em parangonas, que adoptaram o Acordo Ortográfico nos seus conteúdos, além de sites de jornais, que seguem o mesmo caminho; e outros que, talvez revoltados, deixam muito bem escrito: AQUI ESCREVE-SE O PORTUGUÊS DE PORTUGAL.
Ora, se aqui exponho o conteúdo do tal mail, é porque concordo. Naturalmente que é assim. Talvez diga uma barbaridade, mas sinto que estamos a ser colonizados, quando fomos os grandes colonizadores do mundo...
Desculpem qualquer coisinha.
Continuo a escrever mal, mas escrevo, no que não me esqueci, conforme aprendi. E nada mais...
Não estou a dizer que uns ou outros têm razão. E que uns ou outros, não têm razão. Há uma briza de alguma interferência... ou estarei enganado?!

*****

Assunto: Acordo ... em «direito comparado»

Cá por mim nada ganham com o negócio! Apenas me dão o trabalho de criticar esses linguistas de meia tigela, ou outros tantos “doutores” que tinham como obrigação ter-se oposto à comissão destes desmandos.

E aqui, tenho de concordar com Sarcosy (Sarco para as amigas…e amigos) que terá imposto que a reforma ortográfica da Língua Francesa poderia ser feita, desde que o Francês da Sorbonne nada sofresse com os conceitos aplicados nessa reforma. Isto significa que o Francês das ex-colónias e protectorados, esse sim, sofresse as necessárias alterações, por forma a aproximar-se da língua padrão, ou seja, do Francês em uso na Sorbonne. Assim, sim! Também eu estaria de acordo com o Acordo Ortográfico, se o Português em uso na Universidade de Coimbra (de Lisboa para alguns filólogos) permanecesse inalterável, deixando intactas as suas origens que fazem dela uma língua novilatina.

Ora, o que aconteceu entre nós foi mais um acto cometido intencionalmente por canhotos e aleijados mentais, que trataram agora, depois de delapidar o Território e a riqueza que ainda íamos guardando,  maltratar a Língua, certamente sem saberem que a língua mãe de todos nós é, tal como o território nacional, um factor da Pátria e da Consciência Nacional.

Mas, o mais grave estará para vir, porque suspeito que a segunda fase será uma reforma gramatical, a qual, a alinhar pelo Brasil, terá, de facto como consequência, a aproximação da amálgama linguística do Português brasileiro, marcado por influências que nada têm a ver com a cultura portuguesa, uma verdadeira mistura que só convirá aos brasileiros, na medida em que aquela é, de facto, a sua língua, não a nossa.

E se a maior expressão da influência africana decorrente do movimento esclavagista de que não somos os únicos responsáveis, claramente se repercute na música e no carnaval brasileiro, o mesmo se passa com a Língua, porventura de forma menos acentuada, ou perceptível. Desta forma, estamos a importar para o Português padrão tudo aquilo que não está na sua origem, fundamentalmente de cariz latino e grego. Mas, se os nossos filólogos e linguistas de meia tigela vierem com uma reforma gramatical, então todos nós devíamos dizer p’ra eles…Basta! Não! Não encha não meu saco.

E termino como comecei, pois que tenciono não adoptar uma única regra consignada na manobra destruidora da matriz da nossa Língua.

Com um grande abraço.

Albuquerque Pinto


Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...