quarta-feira, 25 de maio de 2011

Brumas da memória - 1

A Lei da separação da Igreja do Estado

Primeiro: - Explicar que arranjei outra série - sim, porque isto de tratar temas, só em séries - a que chamei «Brumas da memória». Aqui vou tentar narrar por adaptação ou até transcrição, alguns factos históricos que já andam dispersos pelo nevoeiro e o pó que o tempo se encarregou de produzir.

Segundo: - Descobri, com a ajuda de um amigo, que me deu umas dicas, documentos digitalizados relacionados com os bens das igrejas, nomeadamente as deste concelho. Não quero dizer que isto é um fenómeno raro, ou qualquer coisa que andava escondida e que agora descobrimos. Nada disso. Eu é que desconhecia a sua existência em Internet e à disposição do comum dos mortais.

Terceiro: - Vou procurar um tratamento informático mais adequado e ver se consigo reproduzir as páginas completas. Esta que agora se apresenta, é feita com base no Print Screen (Paint) e só se consegue, como sabemos, a imagem que fica visível no monitor.

Resumo: - Fica para a curiosidade o auto da relação de arrolamento dos bens feito na igreja paroquial de Valongo do Vouga. Mas outros autos existem, em relação a cada um dos templos católicos que aqui ainda estão ou estavam. Vamos explorar esta situação e trazer até aqui tais documentos históricos. Como até de outras freguesias vizinhas.


Lendo o auto de arrolamento, verifica-se que a igreja de Valongo era possuidora, naquela data (1911, se não estou em erro), de algumas peças de certo valor. Sobre o assunto aqui voltaremos, para não deixar qualquer suspeita ou outras dúvidas a quem quer que seja.

Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...