segunda-feira, 4 de abril de 2011

As Meninas Mascarenhas

O LIVRO XLII

Deixámos esta narrativa naquela frase de que os Bandeiras não esperavam que o agravo lhes fosse contrário e desfavorável, que é o mesmo... dito de uma forma ou de outra, acrescentamos agora.
Mas o Dr. Silva Pinho continua a sua narrativa afirmando que aqueles Bandeiras ficaram verdadeira e completamente desnorteados e lá recomendaram à polícia que cessasse as suas investigações, um tanto inúteis, que tanto dinheiro lhes tinham custado.
Ninguém sabia do paradeiro das Meninas (em letra maíscúla, que é como o Dr. Pinho escreveu), nem era fácil poder descobrir o que quer que fosse, e, por isso, entenderam que as pesquisas não deviam prosseguir.
Aqui também a «ratice» do Dr. Silva Pinho se fazia sentir: reparemos nesta frase: «Eu tinha dito a meia voz, em som de mistério, que o tutor e as suas pupilas tinham saído para o estrangeiro num navio à vela.» Facto que veio a acontecer mais tarde....

Foto inserida em alguns blogues e sites da Net.
Como esta parte da história focaliza teatros, bailes, etc., aqui fica a ilustrar
aquela pérola que era e é agora o Teatro Nacional de S. João

Isto foi o suficiente para que o boato corresse mais depressa que o fogo, acreditou-se nesta versão e, durante algum tempo, não se falou mais no caso das Meninas Mascarenhas. E o Dr. Silva Pinho, pelo boato que lançou e que provocou um ambiente calmo e descontraído, dizia que só lhe apetecia descansar um pouco e divertir-se. Vivia-se o auge do Carnaval e que, no Porto, se passava admiravelmente.
Tinha dois condiscípulos, Dinis Duarte de Sousa e Manuel Cardoso Coutinho Madureira, que andavam, de forma constante, na sua companhia em jantares, bailes e teatros. Numa associação, um tanto familiar, que ficava no início da rua de Santa Catarina, onde foi apresentado, passou uma boa noite num baile muito animado e que no Porto, à época, se falou ruidosamente. Teve também uma apresentação no baile da Assembleia, no largo da Trindade. Esta foi brilhante. Era terça-feira de Entrudo.
Toda a gente dançava e divertia-se nas salas, quando uma notícia estranha ali chega. Luis Filipe tinha sido destronado e fora proclamada a república em França. Mas as danças continuaram até de madrugada, com uma extraordinária animação. Afinal a política de França ficava, naquela altura, bastante longe.
A Fonda de Las Delícias era muito concorrida, principalmente por rapazes educados, que ali iam jantar. Tinha-se constituído um grupo de que faziam parte Gonçalves Basto, Urpia, Sousa Reis, de Cedofeita, e os meus condiscípulos e a que se associavam alguns imigrados espanhóis, o qual era certo nos jantares da Fonda, jantares alegres, em que se faziam discursos entusiastas, se cantavam hinos da democracia e todos se tratavam por cidadãos.
Deixamos para um próximo post o que aconteceu no teatro de S. João - que ainda lá mora - de uma cena singular, num baile de máscaras, a que o Dr. Silva Pinho assistiu, interessado e curioso. Vamos ver o que lhe aconteceu.
Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...