quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Pessoas e factos

Manuel Ferreira Rachinhas

Esta uma fotografia, do saudoso, para mim, Manuel Rachinhas, o célebre caçador, que foi sempre tema de conversa nas tertúlias venatórias do concelho de Águeda. Esta foto devo-a à simpatia e generosidade que seu filho António Martins Rachinhas me proporciona, logo que lhe telefonei a perguntar se, por ele, havia algum inconveniente em recordar estas coisas de seu pai. Não perguntei aos restantes filhos, é certo, o que devia ter feito. Mas pelo que conheço deles e da estima e consideração que, recíprocamente, mantemos, penso que nada impede que todos o recordemos. E gostaria de trazer aqui outras histórias dele, até uma que li na «Soberania do Povo» que, se recordo bem, tratava-se de uma aposta entre caçadores e a mesma tinha como prémio uma das raposas que o sr. Manuel criava em casa e termina essa história com uma frase bastante jocosa sobre a raposa. Se a memória não ma atraiçoa, lembro-me que o sr. Manuel chegava a apanhar raposas e depois criava-as em casa. Este acrescento foi postado após o conteúdo escrito a seguir, face à fotografia que gentilmente me foi cedida pelo António.

*****

Conheci o ti Manuel Rachinhas. Era exímio caçador, a ponto da sua fama se estender por todo o concelho. Era muito conceituado pelos seus comparsas do meio venatório. Como tenho informado, tenho andado de volta das páginas amarelecidas da Soberania do Povo. Lá existia uma secção de Desporto, que noticiava, sempre, factos relacionados com a caça, abrangendo todo o concelho. Não me é possível trasncrevê-los todos, mas constam por lá episódios interessantes passados nos anos de vinte e nove e trinta, séc. XX. Era assinado por Humberto, que não sei quem era. Mas há lá algumas referências ao sr. Manuel Ferreira Rachinhas, todas com muita piada, nas quais acabam por se incluir os seus colegas locais e não só. Por agora recordemos esta, publicada no número de 9 de Novembro de 1929:

«Mas nesta breve revista às tropas, queremos lembrar ainda o Paula e o dr. Augusto Santos, que continuam mantendo os seus créditos, embora o último tenha sido um pouco prejudicado pelo receio que tem de que o Rachinhas o alveje na sua insaciável fome de coelhos.
Os srs. não conhecem o M. Rachinhas de Aguieira?
Tenho a honra de o apresentar à malta venatória. É o Átila dos coelhos, caçando, além disso, raposas, texugos e toda a caça de altanaria.
No último domingo, ele e um seu companheiro, Joaquim Adjuto, mataram 12 coelhos em poucas horas - façanha que para ele é trivial.»

Recordamos este facto ligado a uma pessoa, que conheci, que se pode considerar histórico. 
Para os mais novos deixo, porém, uma pista familiar: sua esposa chamava-se Celeste Martins Nogueira e são seus filhos António Martins Rachinhas (Aguieira), José Carlos Martins Rachinhas (Cumeada), Manuel Augusto Martins Ferreira Rachinhas, já falecido (Covão), Cidália Martins Ferreira (Brunhido) e Joaquim César (Pedro) Martins Rachinhas, estrada Aguieira-Mourisca (Rua do Caminho de Ferreo-apeadeiro de Aguieira).


Enviar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...